• Português
  • Espanhol
  • Inglês

Prevenção contra a malária para quem vem ao Brasil

Antes de viajar consulte as áreas de risco de transmissão de malária (área endêmica) no Brasil.

No Brasil, a transmissão concentra-se na Região Amazônica, composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. O viajante que se desloca para essas áreas deve procurar orientação de prevenção antes da viagem.

Risco de transmissão de malária no Brasil

Se houver risco potencial de adquirir a doença, devem ser observadas as medidas de prevenção contra picada de mosquitos:

  • Use roupas claras e com manga longa durante atividades de exposição elevada.
  • Aplique repelente nas áreas expostas da pele, seguindo a orientação do fabricante.
  • Em crianças com idade inferior a dois anos, o uso de repelente não é recomendado sem orientação médica.
  • Evite locais próximos a criadouros naturais dos mosquitos (beira de rios e lagos, áreas alagadas ou coleções hídricas, região de mata nativa), principalmente nos horários da manhã e ao entardecer, por serem os períodos do dia de maior atividade dos vetores da doença.
  • Use telas protetoras de portas e janelas e mosquiteiros.
  • Em ambientes fechados, use o ar condicionado ou ventiladores.

É imprescindível que o viajante fique atento ao surgimento de sintomas da doença, como febre, dor no corpo e dor de cabeça. Em caso de manifestação de algum sintoma, procure a unidade de saúde mais próxima. O ideal é que este atendimento seja feito o quanto antes, em até 48 horas após os primeiros sintomas.

Confira a lista dos centros de referência para tratamento de malária  divulgada pelo Ministério da Saúde

PARANÁ

O Paraná conta com uma rede pública de saúde estruturada para diagnosticar e tratar os pacientes com malária, de forma oportuna e adequada.

Consulte os Centros de Referência para tratamento da malária no Paraná:


Veja mais informações sobre malária.

Para obter informações adicionais sobre a incidência de malária no mundo no site da Organização Mundial da Saúde.
Recomendar esta página via e-mail: