• Português
  • Espanhol
  • Inglês

Sarampo

SARAMPO

Atualização: 08/05/2018
Fonte:  Organização PanAmericana da Saúde (OPAS)



A doença


O sarampo é uma doença altamente contagiosa e grave causada por um vírus. Antes da introdução e generalização da vacina contra o sarampo em 1963, as principais epidemias ocorreram aproximadamente a cada 2-3 anos e estima-se que a doença tenha causado 2,6 milhões de mortes por ano.

O sarampo continua a ser uma das principais causas de morte entre crianças pequenas em todo o mundo, apesar da disponibilidade de uma vacina segura e eficaz. (89.780 pessoas morreram em 2016 - principalmente crianças menores de 5 anos).

O sarampo é causado por um vírus na família paramyxovírus e normalmente é transmitido através do contato direto e através do ar. O vírus infecta o trato respiratório, depois se espalha por todo o corpo. O sarampo é uma doença humana e não há ocorrência em animais.

As atividades de imunização tiveram um grande impacto na redução das mortes por sarampo.  As mortes globais por sarampo diminuíram 84%, de cerca de 550.100 em 2000 * para 89.780 em 2016.

Sinais e sintomas


O primeiro sinal de sarampo é geralmente uma febre alta, que começa cerca de 10 a 12 dias após a exposição ao vírus e dura de 4 a 7 dias. Coriza, tosse, olhos vermelhos e aquosos e pequenas manchas brancas dentro das bochechas podem se desenvolver no estágio inicial. Após vários dias, surge uma erupção cutânea, geralmente no rosto e no pescoço. Durante cerca de 3 dias, a erupção cutânea se espalha, eventualmente atingindo as mãos e os pés. A erupção dura de 5 a 6 dias e depois desaparece. Em média, a erupção cutânea ocorre 14 dias após a exposição ao vírus (dentro de um intervalo de 7 a 18 dias).

A maioria das mortes relacionadas ao sarampo são causadas por complicações associadas à doença. As complicações graves são comuns em menores de 5 anos e maiores de 30 anos. As complicações mais importantes incluem cegueira, encefalite (uma infecção que causa inchaço no cérebro), diarreia grave e desidratação relacionada, infecções no ouvido ou infecções respiratórias severas como pneumonia. O sarampo grave é mais provável entre crianças pequenas mal nutridas, especialmente aquelas com vitamina A insuficiente, ou cujo sistema imunológico tenha sido enfraquecido pelo HIV / AIDS ou outras doenças.

Em populações com altos níveis de desnutrição, particularmente deficiência de vitamina A e falta de cuidados de saúde adequados, cerca de 3-6% dos casos de sarampo resultam em morte e em grupos de refugiados, até 30% dos casos resultam em morte. As mulheres infectadas durante a gravidez também correm o risco de sofrer complicações e a gravidez pode acabar em aborto espontâneo ou parto prematuro. As pessoas que se recuperam do sarampo são imunes ao resto de suas vidas.

Quem está em risco?


Crianças pequenas não vacinadas têm maior risco de adquirir sarampo e suas complicações, incluindo a morte. Mulheres grávidas não vacinadas também. Qualquer pessoa não imune (que não foi vacinada ou vacinada, mas que não desenvolveu imunidade) pode se infectar.

O sarampo ainda é comum em muitos países em desenvolvimento - particularmente em partes da África e da Ásia. A maioria esmagadora (mais de 95%) das mortes por sarampo ocorre em países com baixos rendimentos per capita e infraestrutura de saúde insuficiente.

Os surtos de sarampo podem ser particularmente fatais em países que experimentam ou se recuperam de um desastre natural ou conflito. O dano à infraestrutura da saúde e aos serviços disponíveis interrompe a imunização de rotina e a superlotação em campos residenciais aumenta o risco de infecção.

Transmissão


O vírus altamente contagioso é espalhado por tosse e espirros, contato pessoal próximo ou contato direto com secreções nasais ou de garganta infectadas.

O vírus permanece ativo e contagioso no ar ou em superfícies infectadas por até 2 horas. Pode ser transmitido por uma pessoa infectada a partir de 4 dias antes do início da erupção cutânea até 4 dias após a erupção cutânea.

Os surtos de sarampo podem resultar em epidemias que causam muitas mortes, especialmente entre crianças jovens e mal nutridas. Nos países onde o sarampo foi amplamente eliminado, os casos importados de outros países continuam sendo uma importante fonte de infecção.

Tratamento


Não existe um tratamento antiviral específico para o vírus do sarampo.

Complicações do sarampo podem ser evitadas por meio de cuidados de suporte que incluem boa nutrição, consumo adequado de líquidos e tratamento da desidratação com a solução de reidratação oral recomendada pela OMS. Esta solução substitui fluidos e outros elementos essenciais perdidos por diarreia ou vômitos. Os antibióticos devem ser prescritos para tratar infecções e pneumonia.

Todas as crianças com diagnóstico de sarampo devem receber duas doses de suplementos de vitamina A, com 24 horas de intervalo. Este tratamento restaura baixos níveis de vitamina A durante o sarampo que ocorrem mesmo em crianças bem nutridas e podem ajudar a prevenir danos oculares e cegueira. Os suplementos de vitamina A demonstraram reduzir em 50% o número de mortes por sarampo.

Prevenção


A vacinação contra o sarampo para crianças, combinada com campanhas de imunização em massa em países com altas taxas de casos e mortes, são estratégias chave de saúde pública para reduzir as mortes globais em decorrência da doença. A vacina contra o sarampo está em uso há mais de 50 anos. É segura, eficaz e barata.

A vacina contra o sarampo é frequentemente incorporada com vacinas contra a rubéola e / ou caxumba. É eficaz na forma única ou combinada.

Recomenda-se duas doses da vacina para garantir imunidade e prevenir surtos, como cerca de 15% das crianças vacinadas não conseguem desenvolver imunidade da primeira dose.

 

HISTÓRICO


A região das Américas foi a primeira considerada livre do sarampo em 27 de setembro de 2016. As outras cinco regiões do mundo têm como meta alcançar a eliminação do sarampo até 2020. O Brasil recebeu a certificação da eliminação da rubéola em 05 de dezembro de 2015, após cinco anos sem casos registrados.

O termo “Eliminação” é definido como a ausência da circulação endêmica do vírus do sarampo (ou da rubéola) em uma determinada área geográfica, por um período igual ou superior a 12 meses, que se faz acompanhar por um sistema de vigilância universal, qualificado e integralizado.

Em 2017, constatou-se intensa circulação do vírus do sarampo com amplos surtos da doença em diferentes países europeus, o que levou a Organização PanAmericana de Saúde, a Organização Mundial de Saúde (OPAS/OMS), e o Ministério da Saúde a recomendar aos países do continente americano o fortalecimento das medidas de vigilância para rápida detecção de qualquer introdução do vírus nas Américas, assim como as medidas de prevenção e controle adequadas e oportunas.

Região das Américas


Em 2018, entre as semanas epidemiológicas (SE) 1 e 18, 11 países reportaram 1.115 casos confirmados na Região das Américas: Antígua e Barbuda (1 caso), Argentina (3 casos), Brasil (104 casos), Canadá (9 casos), Colômbia (21 casos), Equador (3 casos), Guatemala (1 caso), México (4 casos), Peru (2 casos), Estados Unidos (63 casos) e República Bolivariana da Venezuela (904 casos). Esse número excede o registrado em 2017, quando 4 países da Região registraram 895 casos confirmados: Argentina (3 casos), Canadá (45 casos), Estados Unidos da América (120 casos) e Venezuela (727 casos).

Os casos confirmados de sarampo em Antígua e Barbuda e na Guatemala foram importados, do Reino Unido e da Alemanha, respectivamente. O caso de Antígua e Barbuda é uma mulher de 19 anos de idade, com uma doença apressada em 19 de janeiro. O caso na Guatemala é uma mulher de 17 anos de idade, com um histórico de duas doses de vacinação, início da erupção cutânea em 17 de janeiro. Até o momento, não houve casos adicionais vinculados a esses dois casos importados.

Os casos confirmados de sarampo no Canadá e nos Estados Unidos são importados ou associados à importação, e 70% dos casos não foram vacinados. Os casos estão distribuídos em 19 estados e / ou províncias. A maior proporção de casos correspondeu a crianças e adolescentes entre 5 e 19 anos (35%), seguidos por adultos de 20 a 49 anos (29%) e lactentes com 6 a 11 meses de idade (20%). Os genótipos identificados são D8, D4 e B3. Trinta e cinco casos envolveram viagens anteriores a 11 países: Austrália, França, Índia, Israel, Paquistão, Cingapura, Espanha, Romênia, Uganda, Ucrânia e Reino Unido.

Na Argentina, 3 casos de sarampo foram confirmados, 2 dos quais tinham história de viagem recente para a Ásia. Os casos são de uma mulher de oito meses de idade, de uma mulher de 26 anos de idade e de um homem de 21 anos de idade, com datas de início precipitado de 25 de março, 20 de março e 11 de março, respectivamente. Com relação à história de vacinação, a criança não foi vacinada porque tinha menos de um ano de idade, e a história de vacinação de ambos os adultos não pôde ser confirmada. Todos os três são moradores de Buenos Aires. O genótipo identificado no primeiro caso é D8, linhagem Mvs / Osaka / JPN / 29.15. O rastreamento de contato está em andamento.

No Brasil, há um surto de sarampo em andamento com 693 casos suspeitos (358 no estado do Amazonas e 335 no estado de Roraima), dos quais 103 foram confirmados (22 no estado do Amazonas e 81 no estado de Roraima), incluindo 2 óbitos. Além disso, um caso foi confirmado no estado do Rio Grande do Sul. O caso é de uma menina de um ano, sem história de vacinação, residente no município de São Luiz Gonzaga, que tinha histórico de viagem para a Europa, visitando vários países com surtos contínuos de sarampo. O genótipo identificado neste último caso é B3.

No estado do Amazonas, foram notificados 358 casos suspeitos, dos quais 22 foram confirmados, 47 foram descartados e 289 permanecem sob investigação. Os casos suspeitos são de 13 municípios: Anori, Beruri, Careiro da Várzea, Humaitá, Itacoatiara, Itapiranga, Iranduba, Manacapuru, Manaus, Novo Airão, Parintins, São Gabriel da Cachoeira e Tefé. Todos os 22 casos confirmados são de Manaus, de cidadãos brasileiros, 12 dos quais são mulheres. Um dos casos confirmados havia sido vacinado recentemente, dois estavam fora da faixa etária recomendada para a vacinação e um não tinha histórico de vacinação.

No estado de Roraima, foram notificados 335 casos suspeitos, dos quais 81 foram confirmados, 20 foram descartados e 234 permanecem sob investigação. Os casos suspeitos são de 12 municípios: Alto Alegre, Amapáí, Boa Vista, Cantá, Caracaraí, Caroebe, Iracema, Maracaibe, Pacaraíma, Rorainópolis, São João da Baliza, Uiramutã. Os 81 casos confirmados são de: Boa Vista (59 casos), Cantá (1 caso), Pacaraima (19 casos), Maracaibe (1 caso) e Uiramutã (1 caso).

Entre os 81 casos confirmados em Roraima, 55 são venezuelanos (68%), 24 brasileiros (29,6%), um da Guiana (1,2%) e um da Argentina (1,2%). Dos 55 casos venezuelanos, 29 são indígenas. As duas mortes por sarampo são crianças venezuelanas do município de Boa Vista. As idades dos casos confirmados variaram de menores de 6 meses a 30 anos de idade e 55 dos casos eram do sexo feminino. Nove dos casos confirmados foram vacinados (6 durante a atividade de vacinação em torno de casos suspeitos e confirmados ou ações intensificadas e 3 previamente). Quatro casos foram hospitalizados.

O aparecimento de casos confirmados em ambos os estados ocorreu entre 4 de fevereiro e 27 de março de 2018. De acordo com os testes laboratoriais realizados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz / RJ), o genótipo identificado em todos os casos confirmados laboratorialmente é D8. A linhagem é idêntica à identificada na Venezuela em 2017.

Na Colômbia, entre a SE 11 e a SE 18 de 2018, houve 21 casos de sarampo confirmados. As idades variaram entre os 10 meses e os 26 anos de idade. Dos casos, cinco eram do sexo feminino. Erupção cutânea entre 8 de março e 28 de abril. Quatorze dos 21 casos foram importados da Venezuela, 6 casos são de transmissão secundária, em pessoas da Venezuela e em residentes da Colômbia por mais de 4 meses, e 1 caso está relacionado à importação. Nenhuma morte foi relatada.

Os casos foram relatados nos departamentos de: Antioquia, Bolívar, Cauca, César, Norte de Santander, Risaralda, Sucre e o Distrito de Cartagena.

No Equador, nas SE 13, 15 e 16 de 2018, foram confirmados 3 casos de sarampo. Os casos são em um menino de cinco anos de idade, uma criança com menos de quatro meses de idade residente em Quito e de um homem de 44 anos da Venezuela; suas datas de início de erupção foram 28 de março, 10 de abril e 18 de abril, respectivamente. A criança com menos de 4 meses de idade esteve em um centro de saúde ao mesmo tempo que o primeiro caso confirmado. O terceiro caso entrou no Equador em 9 de abril.

No México, 4 casos de sarampo importados ou importados foram confirmados. O primeiro caso relatado é uma mulher de 38 anos, residente em Tijuana, Baja California, que foi identificada através do rastreamento de contato de um caso confirmado de sarampo que estava a bordo do mesmo voo internacional. Os outros 3 casos foram confirmados na Cidade do México, com datas de início de erupção cutânea variando entre SE 7 e 10 de 2018. Esses três casos estão relacionados entre si e são uma mulher de 39 anos, seu filho de 1 ano de idade e a cuidadora do bebê, de 48 anos de idade. O genótipo identificado no primeiro caso é B3.

No Peru, dois casos de sarampo foram confirmados em residentes peruanos que não haviam saído do país. Os casos, um homem de 46 anos e outro de 16 anos, apresentaram erupção cutânea nos dias 24 e 28 de fevereiro de 2018, respectivamente. Nenhum caso foi identificado que seja importado ou relacionado a outro caso importado que possa ser a fonte de contágio dos casos confirmados.

Na Venezuela, entre 26 de março de 2017 e 16 de setembro de 2018, um total de 1.631 casos confirmados de sarampo foi relatado; 727 em 2017 e 904 de EW 1 a EW 16 de 2018. Dos casos confirmados, 1.353 foram confirmados por laboratório e 278 por link epidemiológico. Duas mortes foram relatadas. A maioria dos casos suspeitos vem do estado de Bolívar, seguido pelo Distrito Capital. Outros 11 estados relataram casos.

Situação em outras regiões

Em relação à situação epidemiológica do sarampo na região da Europa, em 2017 o número de casos quadruplicou em relação aos registrados em 2016. A doença afetou 21.315 pessoas e causou 35 mortes em 2017, após um mínimo histórico de 5.273 casos em 2016. Setenta e dois por cento dos casos são relatados pelos três países a seguir: Itália, Romênia e Ucrânia. Entre março de 2017 e fevereiro de 2018, foram notificados 30.818 casos (incidência de 33,68 por 1 milhão de habitantes), sendo a Ucrânia (10.858), a Itália (5.041), a Romênia (4.474) e a Sérvia (2.827) os países que mais relataram casos. durante este tempo.

Países de outros continentes (China, Etiópia, Índia, Indonésia, República Democrática Popular do Laos, Mongólia, Filipinas, Nigéria, Sri Lanka, Sudão, Tailândia e Vietnã, entre outros) também relataram surtos de sarampo entre 2016 e 2017.

RECOMENDAÇÕES AOS VIAJANTES


Os viajantes, independentemente da idade, que se dirigem para outros países situados fora da região das Américas e que não comprovem vacinação prévia contra o sarampo devem receber uma dose da vacina.

Alguns países da Europa, África e Ásia, não apresentam uma cobertura vacinal muito ampla contra o sarampo. Neste sentido, recomenda-se que profissionais da área de turismo e viajantes residentes no Brasil, que tenham como destino países pertencentes a outros continentes que não as Américas, procurem um posto de saúde pelo menos quinze dias antes da viagem, para serem vacinados.

No retorno recente de viagem ao exterior, o viajante deve ficar atento: se apresentar febre, manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de tosse ou coriza ou conjuntivite, até 30 dias após seu regresso, estes podem ser sinais e sintomas do sarampo. Recomenda-se que procure imediatamente um serviço de saúde, informe seu itinerário de viagem, permaneça em isolamento social e evite circular em locais públicos.

Sarampo
 
Sarampo
 

Recomendar esta página via e-mail: